Blog

single blog post cover

            Esta é a segunda parte da Pesquisa Nacional das Empresas Contábeis (PNEC), que revelou importantes informações para auxiliar o empresário contábil também em relação aos empregados.


            A 3ª Pesquisa Nacional de Empresas Contábeis – PNEC, realizada entre maio e agosto de 2017, contou com a participação de empresários contábeis de 85% dos estados brasileiros. As empresas que responderam ao questionário têm, em média, 17 anos de atividade e 2,05 sócios, dos quais 59% atuam com exclusividade na empresa de serviços contábeis, ou seja, 41% têm mais de um negócio. Se desejar mais detalhes da primeira etapa da pesquisa acesse o link https://goo.gl/avYf9J.
 
            As empresas contábeis são compostas, na média, de 12 empregados, número 38% maior do que o revelado na pesquisa de 2013/14, de 8,7 empregados. Destaque para a existência de grandes empresas, sendo que uma informou ter mais de 400 colaboradores. As empresas “Eu S/A”, formadas apenas pelo proprietário, representaram 5% do total; 49% têm entre um e cinco empregados; entre seis e dez empregados são 21% do total; portanto, 23% das empresas têm mais de dez empregados. Com essas revelações é possível concluir que as empresas contábeis, vulgarmente denominadas “escritório de contabilidade” são notadamente formadas por pequeno número de empregados.
 
            Embora as mulheres sejam maioria dos empregados nas empresas prestadoras de serviços de contabilidade, a participação feminina caiu em relação à PNEC de 2013/14. Naquele ano elas somavam 64% dos empregados e em 2017 representam 58%, uma queda de quase 10% dos postos de trabalho.
 
            Os empregados das empresas contábeis são notadamente jovens, pois têm a média de 30 anos de idade, um pouco superior à última pesquisa, que apresentou a idade de 28,8 anos. Esta mesma realidade foi constatada na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizada em 2011e publicada no globo.com em 21/09/2012. A PNAD aponta que a força de trabalho está concentrada na população entre 30 e 59 anos de idade, que 26% da força de trabalho está na faixa etária de 30 a 39 anos de idade, 22% entre 40 e 49 anos e 14% entre 50 e 59 anos. Os mais jovens (20 a 29 anos) representam um quarto da força de trabalho.
 
            Os políticos brasileiros, nas campanhas eleitorais, destacam a importância da escolaridade para que o país atinja o desenvolvimento, mas não é o que acontece após conquistarem os cargos, pois observa-se a opção por mão de obra mais barata e isto pode estar ligado à formação. Políticas de incentivo para a contratação de mão de obra qualificada devem ser executadas. Este desmazelo não é novidade e tal singularidade identifica-se também no meio contábil, categoria que necessita manter-se em contínuo aprendizado, por ser peculiar à atividade. Na PNEC de 2014, 57% dos empregados possuíam curso superior, mas em 2017 esse número caiu para apenas, 45%. O reflexo pode ser a alta concorrência e, portanto, a imprescindibilidade de baixar os custos para viabilizar a atuação no mercado que é disputadíssimo. Profissionais com menor escolaridade são sinônimo de salários mais baixos.
 
            O salário médio dos empregados das empresas contábeis, de acordo com a 3ª PNEC, já somados os benefícios (salários, prêmios e horas extras), mas não incluso os encargos sociais e trabalhistas, foi R$ 2.224,26. Infelizmente, devido a mudança da metodologia da pesquisa salarial, não há comparativo com a pesquisa anterior.
 
            O faturamento médio por colaborador é uma conta fácil de ser feita e permite a comparação da produtividade entre as empresas: basta tomar o faturamento bruto do mês e dividir pelo número de colaboradores (empregados mais os sócios que atuam dentro da empresa). Em 2013/14 foi de R$ 5.058,78 por colaborador e em 2017 teve um aumento de mais de 40%, ou seja, R$ 7.118,97.
 
Observem que acima informou-se que na pesquisa deste ano teve 38% a mais de empregados em relação a 2013/14 e agora é apresentado que o faturamento médio por colaborador cresceu 40%. Para os menos atentos pode parecer que é um reflexo lógico, pois se aumenta o número de empregados também deve aumentar o faturamento, mas não está sendo tratado crescimento do faturamento absoluto, mas médio por colaborador. Então deve-se concluir que as empresas conseguiram automatizar os processos. Mesmo diante da possível queda dos honorários médios, o faturamento individual teve expressivo crescimento. Esta é uma boa notícia!
 
            Continue acompanhando, pois nas próximas semanas serão publicados outros artigos com mais informações da PNEC: margem de contribuição, lucro líquido, seguro de responsabilidade civil, enfoques da precificação, softwares e muito mais.

Deixe um Comentário

Comentários